18 de setembro de 2012

Svetlana Olen ¥ Cap. 51 – Segredo guardado a 7 chaves.



Valentina acreditava estar pronta, mas todos nós sabíamos de todo o caos que viria a Florença. Tive que explicar novamente a necessidade de ela estar em Eska, continuar aprimorando seus dons e ajudar a proteger o nosso Cray. Logo ela percebeu que as águas do mar estavam mais escuras e as tempestades mais fortes em Kupala. 




Em Florença, nossa Cabala estava se preparando para a chegada do Profeta. Sabíamos que faltariam alguns anos a serem derramados, mas teríamos que cuidar para que sangue não fosse desperdiçado. Enquanto isso, permanecia em minha cidade, longe de Heráclito.

Vale ainda conversava comigo, agora, mais madura e conhecedora de seus poderes. Era uma criança quando lhe foi atribuído o poder da magia. Não compreendia como tal poderes pudessem ser destinados a uma pequena tão inexperiente em nosso mundo.

Sempre que podíamos, fazia o mesmo passeio que Srª Ausra fazia comigo, quando mais nova. A via cada vez mais forte, crescendo e me enchendo de orgulho. Minha filha.

Tinha uns dias em lua nova, que ela perguntava-me sobre sua outra mãe, mas fiz questão de apagar da memória, ainda pequena de todo o trauma que a causou.
Imagine, sua mãe, morrendo pelo fogo por sua culpa. Nenhuma pessoa suportaria passar pelo o que eu passei. Faria de tudo. Inclusive me precavi com uma magia própria chamada: Proteção da memória obscura, na qual para obter esta informação, teria que ser alguém que pudesse ler minha alma. 

Aquilo era algo que deveria preservar de sua memória e de sua vida. Ela já possui um desvio de comportamento devido sua rebeldia nata, imagina se soubesse o que lhe havia acontecido...

A única informação que Vale sabia, era que ela havia sido morta e que eu a achei durante uma perseguição entre a Inquisição e outros Magis de minha Cabala, ela assim o acreditou e fazia de tudo, para que percebesse o quanto tinha confiança e gratidão por mim.

2 comentários:

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Muito bacana!

Achei bem Verbena a forma como lidou com os traumas de Valentina...

:-)

Hugo Marcelo

Camila Numa disse...

Valeu Hugão!