2 de setembro de 2012

O DESPERTAR I


Nunca imaginei vê-la naquela situação. Seu rosto arranhado, suas ricas vestes rasgadas e sujas, pés descalços. Seu corpo marcado pela autoflagelação. Desesperada, mas ainda assim soberba, empunha um punhal de prata que docemente fere sua carne.

Algumas delicadas gotas de sangue respingam no solo. Logo se multiplicam, formam um filete que tinge de rubro as águas do rio Arno enquanto alguns peixes nadavam despreocupadamente. É manhã, os pássaros cantam, o sol se ergue, as abelhas fazem mel. A natureza parece indiferente ao sofrimento de tão nobre dama. Ela examina seu sangue com um olhar perplexo, como se não acreditasse no que tinha feito, ou talvez esperando que Allah (swt) mandasse um anjo para consolá-la.

Enfia a mão numa bolsa de couro e retira um pergaminho. Tomada pela ira o estraçalha. Alguns fragmentos caem ao solo, outros no rio, mas alguns são devorados. Um sorriso desdenhoso e perverso desfigura sua face. Após alguns segundos, um grito causa uma revoada de pássaros, também assusta os peixes que se vão. Ela olha para a faca, a segura com as duas mãos e desfere um golpe na direção de seu abdome. Então, apenas parte do cabo podia ser visto sobre seu umbigo.

Seu corpo pende ao solo. Seus olhar se torna estático, quase sem vida. Sua mão que tão habilmente manipulava aquela arma, agora por entre espasmos afunda seus dedos ao solo, como se agarrasse sua última centelha de vida. Sangue encobria suas feridas. Algumas manchas escarlates em suas vestes contrastavam com a palidez de seus lábios, que tremiam. Balbucia algum som, incompreensível. Tentava dizer algo, em vão. Talvez seu testamento, talvez um pedido de perdão ao seu Deus.

Após uma inspiração profunda e ruidosa ergue a cabeça, vagarosamente se volta para Florença. Num esforço quase heroico, sussurra suas últimas palavras, seu legado: 

                        "Amaldiçoado sejas sr. Arthuro Ricardi..."

4 comentários:

Camila Numa disse...

Poxa Hugão, demorou, mas arrasou!
;)

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Obrigado, Camila!

dklautau disse...

Esse negócio de distribuir a culpa pela morte da Marta Médici é coisa de quem não quer assumir a responsabilidade!!!

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Diego, vc não entendeu a postagem.
A honra de ter eliminado este Ksirafai é de Abdul...

Hugo Marcelo