23 de março de 2012

Uma angústia...

Frio. Extremamente frio.

Senti frio quando meu espírito foi dominado. A sensação, que em termos práticos de tempo durou apenas alguns instantes, parecia não ter fim e, embora a aceitação da morte tenha me presenteado com a serenidade diante de situações perigosas, o desespero tentou aprisionar-me.
Ao adentrar em campo de batalha, e apartado de meus fiéis companheiros e esposa, fiquei extremamente vulnerável aos ataques espirituais vindos do inimigo. Ainda mais que, ao meu lado, os inocentes garous negavam auxílio mais efetivo a mim.
Ser dominado foi a pior angústia que tive desde a minha temporada no inferno. Senti como se meu daemon se voltasse contra mim e quisesse exterminar qualquer traço de minha essência. Considerando que o poder existente em mim retém energia suficiente para criar reinos e destruir daemons, o potencial catastrófico de tal ruína seria de altíssima magnitude.

Bem... Nem mesmo eu tinha consciência disso.

Foi preciso utilizar a entidade infernalista que está aprisionada dentro do reino espiritual que comecei a criar para conseguir expulsar meus algozes.
E isso me aqueceu.

Creio que seja necessário uma melhor estratégia entre os defensores de Santa Croce. Essa não foi a primeira vez que corri riscos demasiados enquanto o restante do grupo seguia em outro local. Nesse caso, poderíamos aumentar nossos ataques, nos concentrando em qualidade, e não fracionando-a. 

O mundo espiritual é um dos pontos-chave dentro da composição universal e, não podemos negligenciá-lo.  

2 comentários:

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Grande Laredo,

Excelente texto.
Na medida que Abdul não entende nada do mundo espiritual, sinto que terei que contribuir com a cabala de outro modo... Hehehehe

Abs,

Hugo Marcelo

dklautau disse...

Uma dose de humildade para quem começou a se tornar um arquimago, essa dominação de Heráclito foi interessante justamente para alargar o drama do jogo em termos de poder e narrativa!