13 de abril de 2011

Epílogo Ato II.


   
Após meses de confronto com a Ordem da Razão através do concurso do Batistério, os desafios de resgatar o balefire dos feéricos, assumir o Cray e a chegada em Florença e a formação da cabala com Heráclito, Svetlana e Eleonora, os magi finalmente chegam ao fim de sua jornada ao inferno, impedindo que a maldição de Dante se cumprisse. Abdul, Arturo e Aurora novamente sentem que se encerra um ciclo em sua jornada.


Depois de descansarem, acordam no Cray, nas celas dos franciscanos, e um a um despertam e se encontram no refeitório. Escutam o combate trágico contra o capadócio, a onça, o leão e a loba, e como os cavaleiros conseguiram expulsar os demônios e encerrar os portais do inferno. O acordo com os dedaleanos foi crucial para o êxito, e novamente uma trégua foi selada.

Porém, um tribunal da Inquisição novamente se instalou em Florença, e dessa vez com prazo indeterminado, consolidando uma sede permanente na cidade. Madre Sílvia se recupera, assim como Ishmael, Gustav e Alfonso. Yun Lee decide se retirar de Florença, anunciando que sua missão ja fora cumprida, e agora novos desígnios misteriosos e gloriosos o aguardavam, se desliga da cabala e parte para o desconhecido.

A Igreja de San Lorenzo é destruída totalmente, e por muito tempo aquele dia dos mortos foi considerado o mais temível de todos, onde os anjos e os santos lutaram face a face contra o demônio. Quando se dizia que um tempo ruim viria, se falava: Tomara que não seja como o dia dos mortos de 1.404. Ou quando se queria aterrorizar o povo falava-se: Será pior que o dia dos mortos de 1.404!

O tribunal do Santo Ofício começa a reconstruir a Igreja de San Lorenzo no ano seguinte, e desde então aquele templo se torna a sede da Inquisição, para lembrar a todos que o demônio não descansa, e seus opositores também não devem descansar. O acordo com os dedaleanos é cumprido por ambas as partes. Sem confronto direto, embora em termos políticos, principalmente no conselho da cidade, composto pelas ordens religiosas, as famílias nobres e as corporações de ofício, a disputa pela hegemonia das idéias em Florença permita um desenvolvimento como nunca antes visto. Rica, bela e piedosa, Florença floresce.

Somente em 1.417 novos acontecimentos trágicos, drásticos e espetaculares voltariam a trazer um novo empenho mágico vigoroso. A Cruzada dos Feiticeiros não poderia parar por muito tempo. Agora, a cabala da Santa Croce possui discípulos, prestígio e influência. Os primeiros cavaleiros de Florença se retiram da cidade, alegando convocações e desafios por todo o continente. Assim, Abdul, Aurora, Heráclito, Svetlana, Eleonora e Arturo se tornam os senhores da magia na cidade mais maravilhosa da europa no século XV.

São eles os responsáveis de guardar as tradições que permeiam a vida da magia e da cidade, assim como transformar os desafios que buscam sufocar o ar enebriante da magia. Um novo mundo se aproxima, e é em Florença que seu vislumbre pode ser contemplado. É em Florença que os destinos da civilização se desenham, como uma catedral em construção no devir dos séculos, ou da pintura que consome várias décadas do artista. É em Florença que a Cruzada dos Feiticeiros terá uma batalha decisiva. Os guardiões e campeões das tradições se encontram em sua Basílica de Santa Croce, mais serenos, sábios, poderosos e terríveis!
  
  

4 comentários:

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Grande Diego,

Excelente epílogo. Me enchi de orgulho de fazer parte da Cabala de Santa Croce... Heheheh

Em algumas frases acho que identifiquei sua inspiração: O diálogo entre Frodo e seu amigo.

Mais uma vez gostaria de agradecer por sua mestragem e a todos os membros da mesa por esta oportunidade única.

Atenciosamente,

Hugo Marcelo

Fabi Dias disse...

uau!!! gostei do "terríveis"..hehehe...
bjs

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Diego,

Essa trégua inclui a não utilização da máquina de exodaimon?

dklautau disse...

Sim, foi um dos termos do acordo, assim como o não-sabotamento das escolas dos dedaleanos.