8 de maio de 2010

"Dante e seu Poema", Michelangelo, 1460.

"Por mim se vai das dores à morada,
Por mim se vai ao padecer eterno,
Por mim se vai à gente condenada.
Moveu Justiça o Autor meu] [sempiterno,
Formado fui por divinal possança,
Sabedoria suma e amor supremo.
No existir, ser nenhum a mim se] [avança,
Não sendo eterno, e eu eternal] [perduro:
Deixai, ó vós que entrais, toda a] [esperança!”




   

4 comentários:

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Esse poema é muito importante pra mim...

Me lembra um P.S. em que trabalhei que era muito difícil. A sobrecarga de trabalho e as más condições de trabalho eram desumanas.

Um colega sugeriu que afixássemos na entrada: "Aqueles que por aqui entrarem, podem perder suas esperanças".

Bons tempos... Hehehe

Hugo Marcelo

Diego Genu Klautau disse...

É Dr. Hugo. O serviço público nesse nosso país de fato é um caos infernal!
Boa postagem.

Camila Thiemy Dias Numazawa disse...

EPA, AINDA NÃO FOI ESCRITO...
^^

Hugo Marcelo Barbosa disse...

É verdade Camila,

Uma licença poética... Hehehe

Hugo Marcelo