1 de abril de 2013

Epílogo: Ato III


       Nos anos seguintes após a grande "Batalha do Papa", conforme ficaram conhecidos os acontecimentos de 1.417, os magi que permaneceram em Florença (Arthuro, Aurora e Abdul) se dedicaram aos seus assuntos particulares e à reconstrução da cidade. Pela primeira vez após o início da "Cruzada dos Feiticeiros", Florença estava nas mãos de despertos das Tradições Místicas

           Muitos problemas ainda permaneceram na cidade, como a presença da resistência dedaleana; a infernalista Salomé e sua seita de vampiros demonistas; os Tremere e Aleandra; o mistério do "monge dos acordos"; o desaurido Jeremias e a Seita do Sétimo Selo; os unseelie e seus truques; a nova ordenação dos feéricos sob a liderança de Iatus; a presença do jovem dominicano Antonino, que se tornaria Santo Antonino de Florença; as investigações de Cosmo de Médici no mundo sobrenatural e sua excepcional habilidade em negócios.

          Contudo, tais problemas foram enfrentados numa perspectiva inédita. Agora eram os magi que estavam na situação de poder. Podia-se até mesmo dizer que estavam numa restauração porque incentivaram os moldes de poder dos antigos magos ancestrais, todavia a diferença se manifestava no trato entre as Tradições, afinal estavam com Herméticos, Solificati, Batini, Euthanatos, Verbena, Coro Celestial e mesmo os distantes Videntes de Cronos e os Akasha mantinham presença em Florença. Apesar dessa restauração, existia um elemento de renovação inegável no comando da cidade.

           É com essa mistura entre tradição e novidade que se equilibrou o renascimento florentino. A capital das humanidades, das ciências, das artes e da economia política se consolidou na condução dos magi. Um ar renovado de criação e prosperidade avançou entre novas cabalas e novos magi que se direcionavam aos arquimagos de Santa Croce em busca de orientação e auxílio. Nos anos, e nas décadas, seguintes Florença se consolidou como um fundamental ponto de harmonia entre as Tradições da Magia entre todos os continentes.

          E muitas outras coisas a cabala de Santa Croce realizou, das quais muito se poderia dizer e muitos outros livros poderiam ser escritos e aventuras narradas. Dentre as mais famosas estão o reencontro entre todos os membros da cabala, o encontro entre estes e o profeta Shzar e a participação essencial de todos na formação do Conselho das Nove Tradições e das capelas do Horizonte e da Capela Alva.

           Mas tudo isso é, enfim, uma outra história...

            

Um comentário:

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Grande Diego,

Emocionante!! Nem sei o que dizer, parece um "senhor dos Aneis" só que em Florença.

Muito obrigado pela oportunidade de jogar com vc.

Att,

Hugo Marcelo