3 de outubro de 2010

Canto VI

No terceiro círculo estão os gulosos, cuja pena consiste em ficarem prostrados debaixo de uma forte chuva de granizo, água e neve, e ser dilacerados pelas unhas e dentes de Cérbero.
  
"Latia com três fauces temerosas,
Cérbero, o cão multíface e furente,
Contra as turbas submersas, criminosas.
Sanguíneos olhos tem, o ventre ingente,
Barba esquálida, as mãos de unhas armadas;
Rasga, esfola, atassalha a triste gente.
Uivam à chuva, quais lebréus, coitados!
Mudam de lado sem cessar, buscando
Defensa e alívio, as almas condenadas.

Cérbero, o grão réptil, nos divisando
Os dentes mostra, as bocas escancara,
De sanha os membros todos convulsando."

William Blake

2 comentários:

Camila Thiemy Dias Numazawa disse...

Perfeita descrição!
Adorei Hugão!
=*

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Reparou na cara de feliz do Cérbero?
Hehehe

Hugo Marcelo